AgronegócioDestaqueMato Grosso

Abertura da Índia para o gergelim do Brasil anima produtores de Mato Grosso

Confirmado pelo Ministério da Agricultura, o sinal verde pode ajudar no desenvolvimento da cultura no estado e diminuir a oscilação dos preços pagos pela oleaginosa

Opção de cultura para a segunda safra, o gergelim é cultivado após a colheita da soja, disputando terreno com o milho. Nos últimos anos a oleaginosa tem ganhado espaço em Mato Grosso, especialmente em Canarana – na região leste do estado. O município é responsável por 90% do gergelim produzido no Brasil, segundo estimativas do Sindicato Rural.

Na última safra, os 50 mil hectares plantados com gergelim em Canarana renderam 27 mil toneladas do grão. A expectativa é de que este ano a área salte para 70 mil hectares, com produção prevista em torno de 40 mil toneladas. A expansão é um reflexo do maior interesse internacional pela oleaginosa brasileira, e com a abertura do mercado indiano, o otimismo dos agricultores fica ainda maior.

Com duas décadas de investimento no gergelim, o Diego Dallasta vai ampliar a aposta na cultura. A área destinada à produção deve saltar de 600 para 1.300 hectares nesta safra. “Estamos ampliando área de plantio principalmente pela melhora no cenário internacional na demanda do gergelim e tbm pelas empresas exportadoras que se instalaram na cidade, construindo silos de armazenagem, limpeza, compra e venda do grão, o que gera concorrência e necessidade de compra pelo produto”, explica.

Gergelim deve ocupar 70 mil hectares em Canarana-MT nesta safra (Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural)

Segundo o Ministério da Agricultura, as exportações brasileiras de sementes de gergelim cresceram 596% de 2018 para 2019, saltando de US$ 3,7 milhões para US$ 25,4 milhões. No ano passado, os principais destinos foram Vietnã (25%), Guatemala (15%), Turquia (12%) e Arábia Saudita (12%). A esperança dos agricultores é de que o sinal verde da Índia amplie as vendas e diminua a oscilação dos preços.

Produtor de gergelim também em Canarana, Marcos da Rosa considera a abertura uma importante conquista para o setor. “Nós participamos com apenas 1% das necessidades do mercado mundial de gergelim e estávamos restritos a praticamente 2 ou 3 países. Esse trabalho para a liberação da Índia e também da China – que não ocorreu ainda – é muito importante para o produtor de gergelim do Brasil, especialmente de Mato Grosso e de Canarana. Cria expectativa de que tenhamos maiores compradores no mercado e portanto menor pressão de preços em cima dos produtores”, analisa.

A previsão de aquecimento no mercado da oleaginosa também tende a impulsionar os investimentos na cultura em outras regiões do estado. É o que estima a Associação dos Produtores de Feijão, Trigo e Irrigantes de Mato Grosso (Aprofir-MT), que também tem o gergelim entre as culturas “abraçadas”. Segundo Afrânio Migliari, que é diretor-executivo da entidade, a área destinada à cultura pode chegar a 200 mil hectares já este ano. “Com esta abertura teremos muito mais oportunidades, não só para a região de Canarana – que é um polo na produção de gergelim – como também para outras regiões do estado. Já vamos ter gergelim na região de Sorriso, Campo Novo do Parecis, Nova Ubiratã. A cultura está se espalhando para o estado inteiro e como uma boa oportunidade para o produtor, como opção para a segunda safra”, afirma.

Quanto ao início das exportações de gergelim para a Índia, o secretário de Comércio e Relações Internacionais do MAPA, Orlando Ribeiro, informou que o “assim que concluída a ARP (análise de risco de praga), o grão brasileiro está apto para ser exportado para o país asiático. Não há quota ou qualquer tipo de restrição quantitativa. O produto brasileiro pagará uma tarifa ‘ad valorem’ de 30%”. Ribeiro comentou ainda que a apesar de produzir gergelim, “a Índia importou US$ 60 milhões no ano passado”. Segundo ele, “não dá para dizer que esse será o teto das exportações brasileiras, pois, se o preço for competitivo, há a possibilidade de exportarmos ainda mais, deslocando a produção interna indiana”, concluiu o secretário.

Fonte:Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios