CrimeDestaqueEstupro de vulnerávelMato GrossoPolícia

Acusado de duplo estupro em Barra do Garças diz ter matado mãe de criança após vítima o reconhecer

Homem foi preso nesta sexta-feira (27/11/20), na porta de uma agência bancária, em Nova Xavantina, durante abordagem policial; ele confessou o crime

O acusado de estuprar e matar uma mulher de 30 anos, e estuprar a filha dela, de 11 anos, confessou o crime à polícia. Em depoimento, o homem, de 33 anos, disse ter invadido a residência, no último sábado (21/11/20), em Barra do Garças, para roubar, mas tirou a vida da mãe da criança porque ela o reconheceu.

Ele foi preso na sexta-feira (27/11/20), na porta de uma agência bancária, em Nova Xavantina.

Durante uma coletiva realizada na manhã deste sábado (28/11/20), a delegada Luciana Canaverde, da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, deu novos detalhes sobre o caso e a prisão do indivíduo.

Segundo ela, o homem alegou estar sob efeito de álcool e que, ao entrar na casa portando uma faca, imobilizou as duas vítimas com pedaços de tecido que encontrou no local.

A criança conseguiu se trancar dentro de um quarto no momento em que o homem levou a mãe para outro cômodo da casa. Ele diz não lembrar que abusou sexualmente da menina, mas confirmou ter estuprado a mulher e que depois a matou por asfixia com o mesmo tecido utilizado para amarrá-la.E que passou a noite toda com elas na residência.

O homem, natural de Barra do Garças, tem vasta ficha criminal por crimes contra o patrimônio e teria deixado a residência na manhã após o ocorrido e permaneceu mais um dia na cidade. Depois voltou a trabalhar normalmente em um Distrito próximo ao município. Ele só teve consciência da repercussão do caso dias depois com a avalanche de informações divulgadas pelas redes sociais, momento em que decidiu fugir.

Ele havia sido conduzido para a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Barra do Garças nesta sexta-feira (27/11/20) e foi encaminhado a uma unidade prisional do município de Água Boa após o pedido de prisão preventiva expedido pela Justiça de Barra do Garças. Conforme a delegada, a medida visa preservar a segurança da sociedade e a integridade física do indivíduo.

Luciana Canaverde ressaltou o trabalho realizado pela Polícia Civil de Barra do Garças e agradeceu o empenho de todos os policiais de diversas instituições que se colocaram à disposição para a resolução do caso.

Semana 7

O caso

Uma mulher de 30 anos foi encontrada morta e amarrada dentro de casa, e a filha de 11 anos, também amarrada, em estado de choque. O crime veio a tona na madrugada de segunda-feira (23/11/20), em Barra do Garças MT.

De acordo com o relato da menina, a casa foi invadida por um homem desconhecido, que a estuprou e matou a sua mãe.

Segundo informações da Polícia Militar, uma amiga sentiu falta da vítima e foi até a sua casa. Chegando no local, encontrou o portão trancado e mesmo chamando pelo seu nome, ninguém aparecia.

Uma testemunha que estava com ela pulou o muro, entrou na casa e já encontrou a mulher amarrada e sem vida.

Eles foram surpreendidos pela filha da vítima, uma menina de 11 anos, que saiu assustada do quarto, com o braço amarrado e em estado de choque.

Ela contou que um homem alto, branco e barbudo invadiu a casa da família e em posse de uma faca, fez ameaças. Amarrou a criança e a levou para o quarto, onde foi estuprada.

A mãe dela estava no quarto, deitada com a barriga para o chão, amordaçada e com os pés e a cabeça amarradas.

O local do crime foi isolado e a Perícia Oficial acionada para atender o caso. O conselho tutelar esteve no local e fez o acolhimento da menina.

O caso será investigado pela Polícia Civil.

 

Mato Grosso Mais

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios