AgronegócioDestaqueMato Grosso

Agronegócio prevê aumento de até 74% no transporte de grãos por ferrovia a partir de Mato Grosso

A renovação antecipada da concessão da malha paulista deve ajudar o agronegócio a movimentar mais grãos por ferrovia a partir de Mato Grosso. O contrato original, que venceria em 2028, foi renovado por mais 30 anos na quarta-feira (27/05/20), entre a Rumo e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), e as obras previstas devem permitir um aumento da capacidade da Malha Paulista dos atuais 35 milhões para 75 milhões de toneladas por ano.

Segundo o ministério da Infraestrutura, investimentos a serem realizados pela concessionária somam mais de R$ 6 bilhões. Concretizadas as obras, o custo do transporte com o aumento do volume movimentado pode cair, avaliam fontes ouvidas pelo Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O Movimento Pró-Logística e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) acreditam que deve diminuir a diferença de capacidade entre a Malha Norte, que liga Rondonópolis (MT) à divisa entre Mato Grosso do Sul e São Paulo, e a Malha Paulista, que liga a divisa entre MS e SP ao Porto de Santos (SP).

A Malha Norte pode transportar 35 milhões a 40 milhões de toneladas de grãos por ano, mas neste momento não atinge mais do que 23 milhões de toneladas. Isso porque a Malha Paulista movimenta, no máximo, esse volume em grãos – sua capacidade total, de 35 milhões de toneladas, é dividida com outros produtos, agrícolas (açúcar, celulose, entre outros) ou não.

Segundo o diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz Ferreira, com o aumento da capacidade da malha paulista o volume de soja e milho que pode seguir de trem de Rondonópolis até Santos pode sair de 23 milhões para até 40 milhões de toneladas, o que representaria um crescimento de 73,91%. “É mais um corredor otimizado que vamos ter para escoar a produção de Mato Grosso.”

Levantamento da CNA a partir de dados da ANTT mostra que, do total de produtos movimentados por ferrovias em 2019, somente 16,4% eram do agronegócio. Em 2006, quando começou o levantamento, esse porcentual era ainda menor, de 11,3%. “Com a proposta feita para renovação (da malha paulista), teríamos uma ampliação da capacidade de transportar grãos”, disse a assessora Técnica de Infraestrutura e Logística da CNA, Elisangela Pereira Lopes.

De acordo com ela, melhorias em estruturas ferroviárias também podem gerar redução de custo de transporte de 20% a 25%. Ela lembra que a distância percorrida para levar uma carga de caminhão de Mato Grosso (MT) a Santos (SP) fica entre 1,5 mil a 2 mil quilômetros. “Quando há uma integração em que o transporte rodoviário atende à ponta da curta distância (da fazenda ou armazém até a ferrovia) e a ferrovia faz o restante, há ganho significativo em termos de redução de custo”, explica.

Ferreira, do Movimento Pró-Logística, lembra também que a concessão da ferrovia Norte-Sul de Porto Nacional (TO) até Estrela do Oeste (SP), onde encontra a Malha Paulista, também é da Rumo, o que é outro estímulo para o aumento de capacidade de movimentação de grãos. “A Rumo precisa fazer esse investimento de ampliação para que ela possa dar vazão aos produtos que virão da Ferrovia Norte-Sul.”

Entretanto, segundo Elisangela, é preciso “continuar buscando melhorias” na regulação para direito de passagem e tráfego mútuo – possibilidade de outros operadores utilizarem a linha férrea -, que no ano passado representaram apenas 11,7% do total de movimentação de cargas. “É muito importante que se preveja esses mecanismos para que aumente também essa oferta para o agronegócio”, disse.

Para o presidente da Associação Nacional dos Usuários dos Transportes de Carga (Anut), Luis Baldez, a questão do direto de passagem ainda preocupa. “Apesar de estar previsto o valor a ser cobrado pela concessionária, não está estabelecido qual é a quantidade mínima que a Rumo vai permitir passar de produto nessa modalidade de direito de passagem”, disse Baldez.

Outra preocupação da Anut é não estar prevista a operação de transporte por operadores ferroviários independentes. “Em não havendo competição dentro da malha ferroviária, não haverá redução de frete.” Segundo ele, o acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) que aprovou a renovação antecipada prevê que a ANTT deve emitir resolução para regular o direito de passagem e o operador ferroviário independente. “Esperamos que, com essa resolução, tenhamos as ferramentas legais para exigir da concessionária a redução do frete.”

Para Baldez, o aumento de movimentação previsto na renovação antecipada da concessão é “muito expressivo”, dos atuais 35 milhões de toneladas para 75 milhões de toneladas. “O problema do aumento do volume é que, pelo que está projetado, vai se concentrar em açúcar e grãos. E a carga geral, que é a nossa grande necessidade do mercado, vai continuar à margem desse processo”, afirmou. “Vamos lutar também pela diversificação da carga.”

Consultada por meio da sua assessoria de imprensa, a Rumo informou que está em período de silêncio até a divulgação dos seus resultados, que ocorrerá ainda nesta quinta, e não pode fazer comentários sobre aumento de movimentação de grãos neste momento.

Em nota enviada ao Broadcast Agro, a empresa disse que “a renovação representa um marco na infraestrutura do País” e confirmou que investirá mais de R$ 6 bilhões ao longo da concessão. “O plano de investimentos abrange 40 municípios e prevê duplicações e reativações de trechos, ampliação de pátios, modernização da via e obras para melhorar a mobilidade nas cidades atravessadas pela ferrovia (contornos ferroviários, viadutos, passarelas)”, disse a Rumo, em nota. “Além do agronegócio e o fluxo de exportação ao maior complexo portuário da América Latina, a ampliação beneficia toda a indústria brasileira, atendendo às operações de importação e ao mercado interno.”

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Infraestrutura, a assinatura do contrato com a concessionária ocorre após quatro anos de tratativas entre governo federal, empresa e órgãos de controle, para viabilizar a renovação antecipada. Somente em outorgas a União arrecadará R$ 2,9 bilhões com a renovação. Além disso, a realização dos investimentos previstos trará cerca de R$ 600 milhões aos cofres públicos, mediante a arrecadação de tributos, para os próximos seis anos, conforme o órgão.

Estadão

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios