AgronegócioDestaque

Boi gordo caminha para novo recorde? Analistas respondem

Em novembro de 2019, o contrato da B3 com vencimento em outubro chegou a bater R$ 230 por arroba

O contrato futuro do boi gordo com vencimento em outubro, negociado na B3, chegou a bater R$ 230 em novembro do ano passado. Nesta quarta-feira, 15, a cotação máxima registrada foi de R$ 220. Tendo em vista os preços recordes de reposição e a oferta restrita, analistas dizem se o preço pode caminhar para um novo recorde.
O diretor-executivo da Agro Agility, Gustavo Figueiredo, vê a arroba do boi gordo muito forte ao longo de 2020. Para o fim de julho, ele projeta preços entre R$ 215 e R$ 225.
Os principais motivos apontados são a sazonalidade favorável das exportações no segundo semestre e o fato de que a reposição não deve ter desaceleração tão grande.

De acordo com o sócio-diretor da Radar Investimentos, Leandro Bovo, a alta dos preços de reposição descolada da arroba do boi gordo tem incomodado o pecuarista. Pois, apesar de alguma alta no ano para o animal terminado, a reposição subiu muito mais. Ele afirma que o ágio entre bezerro e o boi é de 25% na média dos últimos dez anos. No momento, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), a diferença está em 40%.

Segundo o analista, a expectativa é de que essa diferença seja reduzida com dois fatores contribuindo de maneira conjunta: o primeiro seria a reposição ficar estável ou cair um pouco e o segundo, a arroba do boi gordo subir.

O consultor de agronegócio do Itaú BBA Cesar de Castro Alves analisa que as exportações de carne bovina nunca cresceram em ritmo tão elevado como estamos observando para a China, e que isso pressiona as cotações tanto da arroba do boi gordo quanto da reposição.

Segundo ele, quem depende da reposição e faz recria e engorda, deve ficar atento porque o processo de retenção de matrizes passou a ganhar força este ano. De forma que ao fazer um paralelo com o ciclo passado, há uma possibilidade de a médio prazo, entre 2021 e 2022, a oferta aumentar e os preços ficarem pressionados.

Em relação à margem, Castro Alves avalia que o momento do mercado é extremamente positivo para o recriador, pois ele consegue uma margem de quase 100%. Para quem faz recria e engorda, a situação está ruim: essa margem que chegou a 15% no ano passado caiu para entre 5% e 10% este ano, dependendo da região.

O consultor vê com bastante preocupação as suspensões de frigoríficos habilitados a exportar para a China. Estruturalmente, ele não enxerga motivos para mudanças na demanda chinesa, porém, caso haja uma redução acelerada, a pecuária sentiria bastante.

Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios