AgriculturaClima TempoDestaqueMato Grosso

Chuva não deve dar trégua tão cedo ao centro e Norte e veja também o clima para todo Brasil

De acordo com a Somar Meteorologia, simulações mais recentes diminuíram o período de tempo seco na maioria dos estados

Nas próximas duas semanas, a chuva permanecerá sobre o centro e Norte do Brasil. Até o fim da semana passada, havia expectativa de uma trégua maior nas precipitações em meados de março, que ajudaria na colheita da safra e instalação do safrinha, mas simulações mais recentes diminuíram o período.

No sábado que vem (13/03/21), até há previsão de muito calor em Mato Grosso indicando uma manhã ensolarada em todo o estado, porém a partir do dia seguinte, a chuva volta a cair a qualquer momento declinando a temperatura. Outra data com calor em todo o estado será a quarta-feira (17/03/21). Porém mais uma vez, no dia seguinte, o tempo voltará a ficar chuvoso. Apesar de tantos problemas, o tempo chuvoso é normal nesta época do ano, ainda mais sob influência do La Niña.

Nos próximos sete dias, o acumulado alcançará 125 milímetros no oeste de Minas Gerais, 150 no sudoeste da Bahia e no norte de Mato Grosso e entre 175 e 200 milímetros no Pará e Amazonas.

Por outro lado, vai chover pouco sobre a região Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul, facilitando a retomada dos trabalhos em campo. Somente em Paranaguá, estimam-se uns 30 milímetros entre terça(09/03/21), e quarta-feira, 19, com a formação de um sistema de baixa pressão na costa da região Sul.

A tendência é de diminuição da umidade do solo em todo o Centro-Sul do Brasil, embora os valores elevados registrados neste início de semana sejam suficientes para o desenvolvimento agrícola em boa parte da região. Apenas no oeste, sul e centro do Rio Grande do Sul, a umidade do solo permanecerá baixa ou cairá para valores inferiores ao mínimo desejável para o desenvolvimento agrícola.

Com exceção do Nordeste, não há previsão de grandes desvios de temperatura. No Sul, até há previsão de mais de 36 °C no oeste do estado no no próximo fim de semana, mas as madrugadas serão frias. Já no Vale do São Francisco, a temperatura ficará até 5 °C mais elevada que o normal nesta semana.

Entre 15 e 21 de março, a chuva mais intensa que o normal permanecerá sobre as regiões Sudeste e Centro-Oeste. A precipitação deverá começar a enfraquecer sobre o centro e Norte do país apenas no decorrer da primeira quinzena de abril, algo normal por sinal.

Chuva atrapalhando

O ciclo da soja nesta safra 2020/2021 enfrentou adversidades climáticas desde o plantio com estiagens, até a colheita, com a chuva excessiva. Nos últimos sete dias, mesmo com a migração da chuva mais intensa para a região Sul, a colheita da soja permaneceu parada em Mato Grosso, Pará, Rondônia e Tocantins pelo excesso de chuva. O corredor de umidade que alimentou a chuva da região Sul passou justamente por cima destes estados. Quem teve melhor condição para colheita foram produtores de Minas Gerais e leste de Goiás, que receberam menos chuva que o normal.

Nos últimos sete dias, destacamos acumulados de 195 milímetros em Itaquiraí (MS), 140 mm em Umuarama (PR) e 125 mm em Marília (SP). Em Mato Grosso, relatos indicam chuva de até 200 milímetros em apenas 24 horas em Sorriso-MT, mas a falta de manutenção das estações meteorológicas do INMET impede que este registro se torne oficial. Em São José do Rio Claro-MT, choveu 125 em sete dias. Além do interior, choveu intensamente sobre os portos de Santos, Paranaguá e Miritituba, embora nos dois primeiros, a situação atual seja bem melhor para embarque de grãos.

Chuva e granizo; confira a previsão do tempo para terça-feira, (09/03/21)

Algumas regiões podem acumular 70 mm ou mais de chuva, de maneira pontual, com possibilidade de transtornos

Sul 

Uma área de baixa pressão atmosférica se forma entre a costa do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina e ajuda na formação de chuva sobre a região Sul, junto com instabilidades nos altos e médios da atmosfera. Tem previsão de chuva mais volumosa no litoral dos três estados, Serra Geral e também nas três capitais. Alguns pontos dessas áreas, no litoral de SC e RS e municípios próximos, podem acumular 70 mm ou mais, de maneira pontual, com possibilidade de transtornos.

Há riscos de rajadas de vento e queda de granizo em especial no Rio Grande do Sul e em parte de Santa Catarina. A chuva também se espalha nas demais áreas, só que mesmo que sejam fortes, são em forma de pancadas mais isoladas e com menor acumulado, concentradas no fim do dia pelo Paraná, centro catarinense e centro e sul do Rio Grande do Sul. Somente nas áreas mais da fronteira oeste gaúcha até o sudoeste e oeste do Paraná é que o tempo continua firme e seco, e nessas áreas o calor aumenta e a umidade do ar fica baixa no meio da tarde.

Sudeste

A presença ainda da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), acoplada a uma frente fria estacionária na altura entre o Espírito Santo e o norte do Rio de Janeiro, continua trazendo a umidade da Amazônia sobre a Região Sudeste. Os maiores acumulados estão previstos pelo norte do Rio de Janeiro, na maior parte de Minas Gerais (incluindo BH) e todo o Espírito Santo (como em Vitória). O tempo fica fechado, com chuva a qualquer hora do dia entre períodos nublados e temperatura amena no oeste, centro e sul mineiro, estado fluminense e entre o leste paulista e extremo sul capixaba.

No litoral paulista, a chuva é mais forte e muito volumosa também, em especial à tarde e à noite, pela influência de uma área de baixa pressão atmosférica entre a costa da Região Sul e a costa de SP, além da circulação de uma área de alta pressão atmosférica no Oceano Atlântico, que traz a umidade do mar para o continente. Em outras áreas, há previsão de períodos de melhoria e pancadas mais isoladas e pontualmente fortes, como na Região Metropolitana de São Paulo.

Centro-Oeste

As áreas de tempo seco atinge além do Pantanal do Mato Grosso do Sul , a maior parte do centro oeste do estado sul-matogrossense. Nestes locais, tem condição para sol, calor e umidade mais baixa no período da tarde. Em outros locais do Centro-Oeste, porém, o tempo ainda não muda. A Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) mantém instabilidades sobre Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso e nordeste e leste de Mato Grosso do Sul. Além disso, temos o reforço de um vórtice ciclônico nos médios níveis da atmosfera, sobre o oeste e sudoeste do MT.

As precipitações ocorrem a qualquer hora do dia, com acumulados elevados desde o noroeste e norte do Mato Grosso até o leste de Goiás e no Distrito Federal. Como o tempo fica fechado nessas áreas, as temperaturas não devem subir ao longo do dia.

Nordeste

Tempo aberto e quente persiste no centro, leste e nordeste da Bahia, Sergipe, Alagoas, boa parte de Pernambuco e Paraíba, sul do Ceará e no sul do Rio Grande do Norte. Isso acontece por causa da massa de ar mais seco. Como o Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN) fica mais deslocado para o mar, só consegue, com sua borda, causar pancadas mais isoladas do leste de Pernambuco ao Rio Grande do Norte.

Porém, a presença da zona de convergência tropical (ZCIT) no norte da Região Norte causará chuvas mais fortes desde o norte do Maranhão até o Ceará, e atenção aos acumulados mais elevados no norte maranhense, como no seu litoral, com riscos para alagamentos e transbordamento de córregos. Áreas de instabilidade nos níveis mais altos da atmosfera também causarão temporais, mesmo que em pontos isolados do centro ao oeste baiano até o sul do PI e do MA, por conta de instabilidades no alto da atmosfera e mais a alta umidade presente e o calor. No sul da Bahia, a chuva ainda pode ser forte. Por fim, rajadas de vento ainda são esperados desde a Bahia até o Ceará.

Norte

Tempo fica mais fechado e as chuvas ficam mais concentradas entre Rondônia, Amazonas, Acre e o sudoeste e nordeste do Pará, com acumulados ainda elevados e potencial para mais cheias. Dentre as capitais, destaque para Porto Velho, Rio Branco e Belém. Além das instabilidades tropicais e da presença da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) no Brasil central, se forma uma área de instabilidade a mais ou menos 5 km de altura conhecida por Vórtice Ciclônico, esse último mais próximo no MT, afetando mais o estado de Rondônia.

 

Canal Rural

 

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios