AgroBrasíliaDestaqueVandalismo

Deputado do agro pede investigação da PF para apurar invasão à Aprosoja Brasil

Uma violência gratuita e covarde praticada por quem nada produz contra o setor produtivo responsável pela geração de emprego, diz Jerônimo Goergen

O deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) repudiou veemente, nesta quinta-feira (14/10/21), os atos de vandalismo que depredaram e picharam a sede da Aprosoja Brasil, em Brasília. O parlamentar encaminhou ofício do Diretor-Geral da Polícia Federal, Paulo Gustavo Maiurino, pedindo que a corporação identifique os invasores e, principalmente, os organizadores do ato.

“Há um simbolismo muito grande nisso tudo. Uma violência gratuita e covarde praticada por quem nada produz contra o setor produtivo responsável pela geração de emprego, renda e divisas para o país”, criticou. O deputado também espera que o presidente da República, Jair Bolsonaro, tome as devidas providências.

O parlamentar cobrou ainda a reabertura do debate sobre a criminalização dos movimentos que se valem de ações violentas. O deputado é autor do Projeto de Lei 9604/2018, que tipifica como terrorismo as invasões de terras, prédios públicos e privados, bem como a depredação do patrimônio. “O Congresso Nacional precisa responder à altura e dar um basta nesse tipo de articulação terrorista. Movimento social debate, pressiona, se mobiliza, cobra do Parlamento. Já os grupos terroristas quebram, queimam, depredam, picham, praticam o cárcere privado. O jogo democrático precisa ter regras”, ressaltou.

O deputado ressalta que a ação criminosa praticada contra a sede da Aprosoja Brasil viola um dos principais fundamentos previstos na Constituição: o direito à propriedade. “Vivemos um ambiente de extrema polarização. Isso é bastante perigoso e só faz aumentar a tensão política e social em véspera de ano eleitoral”, concluiu o parlamentar.

Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios