CuiabáDestaqueMato GrossoPolítica

Deputados rejeitam proposta do governo de ‘superferiado’ em MT

O projeto foi arquivado após parecer quase unânime pela reprovação na Comissão de Trabalho e Assistência Social da Casa

A Assembleia Legislativa acaba rejeitar a proposta do Governo do Estado de antecipação de cinco feriados para conter a propagação do coronavírus em Mato Grosso. O projeto foi arquivado após parecer quase unânime pela reprovação na Comissão de Trabalho e Assistência Social da Casa. Apenas o deputado Lúdio Cabral (PT) votou contra o parecer. A votação ocorreu na sessão ordinária desta terça-feira (23/03/21).

O ponto principal da proposta enviada pelo governador Mauro Mendes (DEM) era criar um “superferiado” no intuito de evitar a circulação de pessoas nas ruas, visando impedir a proliferação do vírus.

A maioria dos parlamentares alegou que somente a proposta de antecipação não seria eficaz neste momento da pandemia. Além disso, prejudicaria ainda mais a economia e a situação dos trabalhadores e comerciantes.

O Governo do Estado também enviou outros dois projetos à Assembleia hoje (23). Um deles, intitulado “Guerra às Aglomerações”, dispõe sobre aumentar as penalidades para quem desrespeitar as regras do decreto estadual anti-Covid-19. O outro, “Professor Conectado”, garante ajuda de custo aos professores para compra de notebook e contratação de internet por três anos.

Requerimento para lockdown em MT

Apesar da rejeição da proposta, ainda nesta terça (23/03/21), a ALMT aprovou um requerimento de autoria do deputado Lúdio Cabral (PT), solicitando que o governador Mauro Mendes (DEM) decrete quarentena obrigatória de 14 dias em todo o estado como medida de contenção da proliferação do vírus.

Segundo o requerimento, no período de quarentena haveria o fechamento de atividades não essenciais.

Para Lúdio, se não forem adotadas medidas mais rigorosas como a quarentena obrigatória de no mínimo duas semanas, os casos de Covid-19 não terão redução.

Semana 7

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios