AgronegócioDestaqueNotícias

Dólar em alta impulsiona soja, milho e boi.

A semana começa também com discussões sobre a necessidade de novos auxílios à população e à economia em meio à piora no quadro da pandemia.

  • Boi: arroba sobe em 28 das 32 praças pesquisadas pela Scot Consultoria
  • Milho: saca sobe 5% na primeira semana do ano
  • Soja: câmbio e Chicago impulsionam preços no Brasil
  • Café: indicador do Cepea renova máxima nominal histórica
  • No exterior: bolsas iniciam semana em baixa com avanço do coronavírus
  • No Brasil: piora da pandemia pode gerar pressão por novos auxílios

Agenda:

  • Brasil: boletim Focus (Banco Central)
  • Brasil: balança comercial da primeira semana de janeiro
  • EUA: inspeções semanais de exportação (USDA)

Boi: arroba sobe em 28 das 32 praças pesquisadas pela Scot Consultoria

Das 32 praças pesquisadas pela Scot Consultoria, em 28 as cotações do boi gordo subiram. A consultoria destaca as valorizações ocorridas no sudoeste de Mato Grosso e no oeste da Bahia, que, na comparação diária, tiveram altas de R$ 10,50 e R$ 8 por arroba, respectivamente. Em São Paulo, a arroba subiu R$ 2, e o preço bruto e à vista ficou em R$ 277.

Na B3, o pregão foi marcado por mais um dia de valorização nos contratos futuros do boi gordo. O ajuste do vencimento mais negociado atualmente, para janeiro, passou de R$ 280 para R$ 282,45 por arroba, alta diária de 0,88%.

Milho: saca sobe 5% na primeira semana do ano

O indicador do milho do Cepea, calculado com base nos preços praticados em Campinas (SP), subiu 5% na primeira semana de 2021. A cotação havia ficado em R$ 78,65 por saca no último dia do ano passado e chegou agora a R$ 82,60. Dessa forma, está muito próxima do maior valor nominal já registrado na série de R$ 82,67 por saca.

Em Chicago, o bushel segue estável perto de US$ 5. A valorização acumulada na semana chegou a 2,53%. O mercado monitora a demanda pelo milho norte-americano, o clima e os estoques na América do Sul e o avanço do coronavírus em economias importantes. Nesta semana, destaque para o relatório de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Soja: dólar e Chicago impulsionam preços no Brasil

De acordo com a consultoria Safras & Mercado, o preço da soja negociada no Brasil teve novo impulso com o avanço do dólar em relação ao real e nova rodada de valorização em Chicago. A empresa registrou dia de negócios moderados. Em Passo Fundo (RS), a saca subiu de R$ 162 para R$ 163 e no porto de Paranaguá (PR) foi de R$ 164 para R$ 168.

Na Bolsa de Chicago, a primeira semana do ano acumulou uma expressiva alta do vencimento para março de 4,87%. O contrato renovou a máxima dos últimos seis anos e se aproxima cada vez mais dos US$ 15 por bushel.

Café: indicador do Cepea renova máxima nominal histórica

O indicador do café arábica do Cepea renovou a máxima nominal histórica da série e ficou em R$ 625,71 por saca. Na primeira semana do ano, a cotação acumulou alta de 3,1%. Nesta última sexta-feira, 8, os preços foram impulsionados pela recuperação do arábica em Nova York e por novo avanço do dólar em relação ao real.

No exterior: bolsas iniciam semana em baixa com avanço do coronavírus

As bolsas globais iniciaram a segunda semana do ano em baixa disseminada com avanço do coronavírus tanto em número de casos como de óbitos em economias importantes. A possibilidade de novos pacotes de estímulos nos Estados Unidos e na Europa levou os mercados a subir na semana passada, porém, em algum momento, os investidores podem se dar conta que não é o suficiente.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, tem reafirmado sua posição de que pretende aprovar um novo pacote de estímulos de mais de US$ 1 trilhão. Na última sexta-feira, o relatório de empregos confirmou que a economia norte-americana desacelera, registrando criação de vagas de trabalho muito abaixo do projetado.

No Brasil: piora da pandemia pode gerar pressão por novos auxílios

Após quase cinco meses, o Brasil voltou a registrar mais de mil óbitos por Covid-19 na média móvel de sete dias. O avanço do coronavírus no país segue o padrão de piora observado em outras economias importantes como nos Estados Unidos e Europa. Se por um lado, isso pode acelerar o processo de vacinação, já que agora há dois pedidos de uso emergencial de vacinas no Brasil, também pode gerar pressão por novos auxílios.

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro ter dito recentemente que não há espaço para novos aumentos de gastos, a pressão de parlamentares, prefeitos e governadores com a piora da pandemia pode fazer com que o governo estenda o auxílio emergencial. Dessa forma, o risco fiscal será novamente colocado em pauta.

 

Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios