AgronegócioDestaqueMato GrossoNotícias

FETHAB completa 20 anos marcado por polêmicas – Entenda como funciona a arrecadação e o rateio

Prestes a completar duas décadas, o Fundo Estadual de Transporte e Habitação de Mato Grosso (Fethab), imposto que incide sobre commodities agrícolas e óleo diesel, continua sendo motivo de discussões políticas, ações jurídicas e também muita desinformação. Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, são os únicos Estados que taxam o agro no Brasil.

imposto teve seu início de vigência em 29 de março de 2000, criado pelo então governador Dante de Oliveira através da Lei 7.263/2000, com objetivo de investir o recurso gerado em logística e habitação. Ao longo desses quase 20 anos que sucederam, novas cobranças foram incorporadas e, mais recentemente, parte do que é arrecadado passou a ser destinado a outros setores, como educação, saúde, segurança pública e assistência social.

Parte do recurso do Fethab arrecadado é destinado à pavimentação asfáltica.

Os produtores rurais, ao longo desses anos, reclamam que são taxados e, mesmo assim, rodam por estradas de chão precárias, sem infraestrutura capaz de suportar o escoamento da produção. Esse cenário se soma com os custos de transporte que historicamente são maiores no Mato Grosso, por estar geograficamente longe dos portos. Por outro lado, começaram a aparecer discursos de políticos e lideranças não ligadas ao agro, de que produtores estão se tornando barões e que se beneficiam de isenções, como o ICMS.

Rodovia Estadual de acesso à Gaucha do Norte-MT.

Ações judiciais contestando a cobrança, ou mesmo exigindo que o recurso seja investido exclusivamente em estradas, também são recorrentes. Mais recentemente, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) entrou com uma ação na justiça contestando o Fethab. Para a entidade, que congrega produtores rurais de todo o país, esse imposto aumenta o custo dos produtores mato-grossenses.

Já os governos que passaram pelo Palácio Paiaguás ao longo desses 20 anos, atestam que o Estado não tem como se manter sem o Fethab, por ter na agropecuária sua principal atividade econômica. Diante de polêmicas e desinformação, é necessário que o fluxo de arrecadação e rateio dos recursos seja entendido.

Entendendo o Fethab

Infográfico: OK Comunicação – Danymeire Carvalho.

A AGRNotícias, com base em dados coletados junto à SINFRA (Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística), produziu um infográfico para explicar como funciona os diferentes percentuais de arrecadação e o rateio dos recursos arrecadados pelo fundo.

60% do Fethab I e II, que envolvem as commodities, vai para educação, saúde, segurança pública e assistência social. 30% vai para investimentos pela Secretaria de Infraestrutura e 10% para o MT PAR.

Do Fethab óleo diesel, 50% fica com o Governo – onde é rateado pelos poderes, e 50% é dividido entre os 141 municípios de Mato Grosso. O rateio leva em consideração diversos critérios técnicos, como, por exemplo, a quantidade de quilômetros de estradas estaduais não pavimentadas. A título de exemplo, o município de Cáceres-MT, que não figura entre os maiores produtores agrícolas do Estado, foi o quinto que mais recebeu recursos oriundos da arrecadação do Fethab do Óleo Diesel em 2019 (R$ 3,5 milhões).

Municípios da região do Araguaia

Dos quase 2 bilhões de reais (R$ 1.937 bi) arrecadados em 2019 com todo o Fethab, R$ 579 milhões vieram do Fethab óleo diesel. Desse montante, 50% foi destinado para os municípios. A informação é da SEFAZ (Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso). Somente em janeiro de 2020, o Fethab total arrecadou R$ 341,5 milhões no Estado.

Do Óleo Diesel, no Vale do Araguaia, no ano de 2019, Água Boa-MT recebeu R$ 2,124 milhões, Canarana-MT R$ 2,313 milhões, Querência-MT R$ 2,367 milhões, Gaúcha do Norte-MT R$ 1,713 milhão, Nova Xavantina-MT R$ 1,789 milhão, Ribeirão Cascalheira-MT R$ 2,209 milhões, Barra do Garças-MT 1,842 milhão e Confresa-MT R$ 2,240 milhões. Esse recurso precisa ser investido em conservação de estradas, embora os prefeitos afirmam ser insuficiente.

Fethab sobre a soja

A AGRNotícias também conseguiu fazer uma estimativa de quanto os produtores de dois municípios do Vale do Araguaia pagariam de Fethab por ano somente sobre a soja. Não existem dados oficiais de quanto cada um dos 141 municípios gera de Fethab individualmente sobre todas as commodities e o óleo diesel. Somente arrecadação total, devido a forma como ocorre o recolhimento.

O recolhimento do Fethab sobre a soja é de 20% da UPF por Tonelada.

Cada produto incidido pelo Fethab tem uma porcentagem da UPF, que é a Unidade Padrão Fiscal do Mato Grosso, que em fevereiro de 2020 era de R$ 148,98. A soja, por exemplo, maior commodity da maioria dos municípios produtivos, tem a incidência de 20% da UPF por tonelada transportada, sendo 10% do Fethab I e 10% do Fethab II, que dá R$ 29,796 por t/soja, R$ 1,78776 por sc/soja e R$ 0,029796 por kg/soja.

Num cálculo simples, foram produzidas em Canarana, por exemplo, no ano de 2018, conforme dados do PAM do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 841.500 mil toneladas de soja. Essa produção vem aumentando a cada ano, mas considerando esses números, considerando os valores da UPF de fevereiro, os produtores do município pagariam R$ 25.073.334 milhões de Fethab soja em 2020 pela mesma produção. Querência produziu 1.176.000 milhão de toneladas de soja em 2018, o que geraria R$ 35.040.096 milhões de Fethab soja.

Vale salientar que a soja que vai para exportação não paga Fethab. Não se tem os números da porcentagem, por exemplo, da produção de Canarana e Querência que foram exportadas.

Enquanto isso…

Os produtores rurais de Mato grosso defendem a aplicação total do recurso em infraestrutura.

O presidente da Aprosoja/MT (Associação dos Produtores de Soja e Milho do Mato Grosso), Antonio Galvan, diz que nenhum cidadão gosta de pagar imposto. Para ele, a maior reclamação dos produtores, é pagar a taxação, mas mesmo assim rodar por estradas sem condições. “A verdade é que ele foi criado com um objetivo que nunca foi cumprido por governante nenhum, na colocação do recurso na infraestrutura […] Se o governo pegasse esse recurso e jogasse todo ele na infraestrutura, ainda viria reclamação de alguns, mas tenho certeza que o produtor que tivesse a rodovia dele pavimentada, a reclamação não aconteceria […] Por isso, a grande maioria hoje não aprova o pagamento”, disse Galvan.

Enquanto os produtores lutam para não pagar o Fethab, ou pelo menos, que a destinação seja exclusiva para melhoria da logística, cada prefeitura, cada secretaria estadual e cada um dos poderes de Mato Grosso, lutam por uma fatia maior do rateio, ou até para que o bolo aumente. Uma discussão que já vem há duas décadas e que vai continuar, sendo que para o produtor rural mato-grossense, a esperança sempre fica a cargo do próprio suor.

Por AGRNotícias. Infográfico – Danymeire Carvalho. Fotos AGR. Foto Capa: Cely Trevisan.

https://www.agrnoticias.com.br

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios