Desmatamento IlegalDestaqueIndígenaMato GrossoPolícia

Garimpeiros pagavam até R$ 1,6 mil aos índios por carga de madeira ilegal; Vídeo

 

Tabela apreendida pela Polícia Federal durante a Operação Onipresente, em Mato Grosso, mostra que madeireiros pagavam até R$ 1,6 mil para passar com carga de lascão de madeira retirada de forma ilegal de dentro da Terra Indígena. O valor era recebido diretamente pelas lideranças das tribos no Xingu.

 

Consta no papel apreendido, que a tabela traz o preço atualizado no dia 19 de março, conforme decretado pela ‘Aldeia Pïrino’, são cobrados por lasca, cúbico de tora, lascão, madeira branca e palanque. A carga mais barata é de palanques de 3,5 metros, custando o valor de R$ 250. O maior é o de lascão, que sai por R$ 1.600.

Os  21 pontos escolhidos para a atuação das forças foram monitorados por satélite, por meio do sistema Planet, que é capaz de detectar situações de desmatamento em áreas tão pequenas quanto o quintal de uma casa.

 

Sendo assim, os locais foram: Terra Indígena Aripuanã localizada entre os municípios de Juína/MT e Aripuanã/MT (etnia Cinta Larga); Terra Indígena Menkü no município de Brasnorte (etnia Menķü) e no Parque Nacional  do Xingu em Feliz Natal/MT (etnia Ikpeng).

 

Diligências

Durante a investigação, foi descoberto a atuação de um servidor da Funai, que passava as informações sobre operações policiais aos garimpeiros. Em paralelo, toda a atividade ilegal era realizada com autorização da liderança indígena, que recebia dinheiro dos madeireiros e garimpeiros.

 

A ‘dica’, ajudava os criminosos escaparem das repressões. Ele foi preso logo no começo da investigação, junto com uma liderança indígena, que recebia 20% do outro extraído da área protegida. Foi encontrada ainda uma tabela de preço pago aos índios.

 

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios