AbusoDestaqueGoiásPolícia

GO- Empresário preso em condomínio de luxo por suspeita de pornografia infantil é solto após pagar fiança de mais de R$ 12 mil

Um empresário de 37 anos, que foi preso em um condomínio de luxo por suspeita de pornografia infantil, foi solto após pagar uma fiança de R$ 12.1 mil, em Goiânia. Ele é investigado por comprar pacotes com pornografia infantil e aliciar crianças e adolescentes para fazer sexo, em Goiânia, conforme a Polícia Civil.

Os nomes do empresário e da empresa não foram divulgados pela polícia. Por isso, o g1 não localizou a defesa para que se posicionasse até a última atualização desta reportagem.

Os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão na sede da empresa e na casa dele, onde estava uma filha de 2 anos, na terça-feira (11), momento em que ele foi preso em flagrante após os agentes encontrarem pornografia infantil nos aparelhos eletrônicos dele.

A investigação informou que o homem se trata de um executivo sócio de um grande grupo econômico que atua em todo o país.

Depoimento

O g1 teve acesso, com exclusividade, ao depoimento do investigado, prestado durante a prisão em flagrante. Em boa parte dos questionamentos, o suspeito optou por ficar em silêncio, mas se disse arrependido pela prática do crime ao qual é investigado.

Durante a apresentação do caso à imprensa, o delegado Daniel de Oliveira, que investiga o caso, disse que o empresário aliciou uma segunda pessoa para fornecer pacotes com vídeos e fotos de pornografia infantil, que eram pagos por transferências via PIX e recarga de celular.

“Essa segunda pessoa tem um irmão de 10 anos, que foi estuprado por esse irmão com pedidos desse executivo, que instigava essas práticas e determinava que esse segundo homem marcasse encontros com crianças e adolescentes”, detalhou o delegado.

 

Em depoimento, ao ser questionado se o empresário tratou com essa pessoa de combinar um encontro com a criança com a finalidade de ambos abusarem dela, ele respondeu que teve sim esse tipo de conversa, mas que nunca teve a intenção de concretizar os atos, “mantendo seus desejos apenas no âmbito da fantasia”.

O empresário informou ainda, durante o interrogatório, que conheceu a pessoa suspeita de fornecer os materiais pornográficos em um restaurante próximo ao seu local de trabalho há cerca de três anos e que, desde então, passaram a conversar pelas redes sociais e receber materiais pornográficos dele.

A Polícia Civil informou que esses encontros para práticas sexuais com crianças e adolescentes, no entanto, estão sendo investigados porque, segundo o delegado, ainda não há provas de que eles teriam acontecido, mas apenas troca de mensagens por celular.

 

G1 GO

 

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios