AgronegócioDestaqueMato Grosso

Justiça condena Aprosoja-MT por experimento com plantio de soja fora do calendário

A Vara Especializada do Meio Ambiente de Cuiabá MT, considerou que o experimento para a alteração do calendário do plantio de soja em Mato Grosso, liderado pela Associação dos Produtores de Soja e Milho do estado (Aprosoja-MT), não é legal. Com isso, a Justiça condenou as partes ao pagamento do valor correspondente ao volume das sementes colhido nos experimentos, bem como o valor a título de dano ambiental coletivo em R$ 57,6 mil por experimento (em média).

A Aprosoja-MT e os produtores vão aguardar a publicação da decisão e avaliar juridicamente se irão recorrer. Ainda segundo a decisão, após o pagamento pelo volume da soja produzido nos experimentos, o mesmo poderá ser levantado e utilizado na condição de soja em grão comercial pelos produtores.

A Aprosoja afirma que respeita a decisão, porém segundo a entidade, a sentença não levou em consideração a validade do Acordo de Mediação assinado pela Superintendência Federal do Ministério da Agricultura (SFA), pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), e pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), que autorizou a pesquisa científica dos plantios experimentais.

Vale lembrar que o experimento foi sugerido pela Aprosoja-MT e 13 produtores que participaram da pesquisa agrícola científica, conduzida pela Fundação Rio Verde e Instituto Agris. A Aprosoja e os produtores que participaram do estudo ainda avaliam a possibilidade de recurso da sentença da Vara do Meio Ambiente, especialmente porque o dano ambiental coletivo não ficou provado, garante a entidade.

“A presença de ferrugem-asiática nos experimentos foi mínima, se comparado aos plantios de dezembro, não sendo suficientes para demonstrar o dano que poderia advir com os plantios de semente para uso próprio em fevereiro. Somente uma perícia técnica poderia trazer segurança para o Juízo e para as partes sobre a constatação ou não desse dano. Todavia, esta prova, requerida pela Aprosoja, foi cerceada na sentença, o que pode ensejar a nulidade dessa decisão”, informa a Aprosoja.

 

Canal Rural.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios