AgronegócioDestaqueMato Grosso

Mato Grosso pela primeira vez na história, produção de milho deve superar a de soja

Com previsão de avanço de 5% na área ocupada pelas lavouras, estado deve colher mais de 36,2 milhões de toneladas do cereal na temporada 2020/21, estima o Imea

Mais de 5,69 milhões de hectares. Este deve ser o tamanho da área cultivada com milho em Mato Grosso na segunda safra 2020/21. O salto de 5% em relação ao ciclo passado é reflexo da atual conjuntura do mercado do grão, com demanda aquecida e preços em patamares recordes. Também colaboram para este avanço a previsão de menor aposta no cultivo de algodão e a continuidade da conversão de áreas de pasto em lavouras, principalmente nas regiões norte e nordeste do estado.

A expansão leva em conta ainda a decisão de agricultores como o Anderson Matte, que vai voltar a apostar no grão depois ficar duas safras sem plantar milho. Na fazenda dele, em Canarana, o cereal deve ocupar pelo menos 800 hectares. “Nós vamos voltar a plantar de novo, ano passado plantamos 100% da área com gergelim. Este ano está previsto fazer 40% da área com milho. Essa decisão foi tomada devido à melhora de preço desse milho… se tornou viável de novo o plantio na região, apesar dos insumos e dos químicos terem acompanhado este preço. Vamos acreditar que esses preços vão se manter e voltar a dar lucratividade para o produtor. Talvez a gente até essa porcentagem da área em milho segunda safra, vamos aguardar o plantio da soja para ver se vai abrir janela para plantio maior dessa safrinha de milho”, comenta o agricultor.

Considerando a produtividade média prevista pelo Imea, que é de 106,28 sacas por hectare, a produção de milho pode chegar a 36,29 milhões de toneladas. Um novo recorde, quase 2,4% acima do volume colhido este ano. Se a projeção for confirmada, primeira vez a produção de milho será maior que a de soja em Mato Grosso, que deve girar em torno de 35,18 milhões de toneladas.

 

Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios