BahiaDestaquePolícia

Morre PM baleado após ‘surto psicótico’ na Barra,em Salvador

O comandante-geral da Polícia Militar da Bahia (PMBA) confirmou, nesta segunda-feira (29/03/21), a morte do policial militar Wesley Góes, morto após efetuar disparos contra guarnições da PM durante um surto psicótico no domingo (28/03/21). Segundo Paulo Coutinho, um inquérito será instaurado para investigar os procedimentos adotados pela corporação na contenção do PM.

 

Durante a coletiva de imprensa, o comandante também rebateu as críticas de que a operação teria sido conduzida de forma “desproporcional” e afirmou que os policiais envolvidos só efetuaram os disparos quando tiveram suas vidas postas em risco pela ação do soldado Goés.

“Enquanto os disparos não estavam oferecendo riscos para a tropa e para as pessoas que circulavam, protegemos a integridade do soldado. Sempre temos esse cuidado, temos expertise de atender ocorrência dessa natureza. Foram utilizadas outras alternativas, porém ele estava com uma arma de grande poder de letalidade e em determinado momento todos os recursos de isolamento e proteção foram esgotados”, avaliou.

Policial militar Wesley Góes

Policial em surto

A ocorrência que culminou na morte do PM começou por volta das 14:00hrs do domingo, quando o militar chegou armado com fuzil e pistola, na região do Farol da Barra, uma área turística de Salvador.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), a negociação com o soldado durou aproximadamente três horas e ele alternava momentos de lucidez com acessos de raiva, acompanhados de disparos. Além dos tiros de fuzil, o soldado arremessou grades, isopores e bicicletas no mar. Três viaturas de quatro rodas também foram desengrenadas e direcionadas para guarnições que isolavam o local.

Segundo a nota do órgão, aproximadamente às 18h35, o soldado verbalizou que havia chegado o momento, fez uma contagem regressiva e iniciou os disparos contra as equipes do Bope. “Após pelo menos 10 tiros, o soldado foi neutralizado e socorrido”, diz o texto. Ele foi levado ao Hospital Geral do Estado (HGE), mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

“Os nossos objetivos primordiais são preservar vidas e aplicar a lei. Buscamos, utilizando técnicas internacionais de negociação, impedir um confronto, mas o militar atacou as nossas equipes. Além de colocar em risco os militares, estávamos em uma área residencial, expondo também os moradores”, declarou o comandante do Bope, major Clédson Conceição.

Repercussão nas redes sociais

Nas redes sociais circulam vídeos do episódio. Em um deles é possível ver o momento em que o policial atira contra os colegas e recebe o revide. O disparo por pouco não atingiu um dos policiais que tentavam negociar a rendição. Wesley era lotado na 72º Companhia Independente de Polícia Militar (72ºCIPM) de Itacaré.

 

deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) usou seu perfil do Twitter para comentar a morte do soldado. Segundo o filho do presidente, Wesley foi morto porque “prender trabalhador é a maior punição” de um “vocacionado em combater o crime”, escreveu Eduardo. “Esse sistema ditatorial vai mudar. Protestos pipocam pelo mundo e a imprensa já não consegue abafar. Estão brincando de democracia achando que o povo é otário”, comentou, em crítica às medidas de isolamento social decretadas no estado para contenção do coronavírus.

Para conter a covid-19, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), prorrogou as medidas restritivas até o dia 5 de abril. Por causa da pandemia, Salvador e todas as cidades da Bahia também estão com decreto de toque de recolher. Com isso, está restrita a circulação noturna de pessoas e só funcionam os serviços essenciais.

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputada Bia Kicis (PSL-DF), também usou o Twitter para comentar o caso. Bia se referiu ao policial como “soldado herói” por ter se recusado a “cumprir ordens ilegais” do governador Rui Costa e “prender trabalhadores”. A deputada apagou a postagem horas depois, após a repercussão negativa do tuíte.

Lideranças e entidades que representam os policiais militares também repercutiram o caso. Logo após a confirmação da morte de Goés, um grupo de PMs – ligados à Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra-BA) – que se concentrou em frente ao Hospital Geral do Estado (HGE), convocou uma assembleia.

 

Em vídeo gravado no local do ocorrido, o deputado estadual Marco Prisco (PSC) acusou o policiais de terem assassinado o colega de farda.(Vídeo do ocorrido acima 👆).

“Mataram um policial, mataram um trabalhador. Até quando vocês vão aceitar isso? Mataram um policial, a hora de parar é agora. Eu convoco vocês. Estou pedindo pela o amor de Deus. Mataram um trabalhador, um pai de família, todo mundo viu. O cara foi assassinado. Quando é vagabundo, a gente se joga na frente, como aconteceu na orla. Não é dessa forma”.

Correio Braziliense

 

 

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios