DestaqueMato GrossoNota a ImprensaQuerência

Nota à imprensa- Defesa de Mãe de aluno dá sua versão

Com relação a matéria publicada no dia (11/08/21 ), intitulada  querencia-mae-de-aluno-surta-agride-professoras-e-policial-militar/    . A nossa equipe de reportagem foi procurada pela a defesa da mãe de aluno, que pediu o direito de expor a sua versão do caso, segue a nota de inteira responsabilidade da advogada de defesa da mãe de aluno ,Drª Emília Peres Giroldo -OAB / MT 9929A.

Em notícia divulgada no dia 11/08/2021 de que ‘MÃE DE ALUNO SURTA E AGRIDE PROFESSORAS E POLICIAL MILITAR’, a mãe relatou que os fatos não sucederam como noticiados. 

Em verdade, o que de fato ocorreu é que chamada pela Diretora da escola, para ouvir reclamações do filho de que não se enquadra no perfil dos alunos matriculados, pois ele não quer usar a mascará, e tem comportamentos que tiram a atenção de outras crianças, foram proferidas afirmações que ofenderam a integridade física e psíquica da criança.
Ao ouvir tudo que lhe foi dito, a mãe compreendeu por que seu filho chora ao ir para a escola e diz que a ‘professora não gosta’ dele.
Em defesa, a mãe tentou explicar que é uma criança especial e precisa de mais atenção do que o normalmente ofertado as demais crianças, de modo que se faz necessário um programa de ensino que se adapte as deficiências dele.
Indagou se a escola não mais queria seu filho como aluno e perguntou o porquê ligam para buscá-lo bem antes de findar as aulas.
Após ouvir as reclamações e expor as debilidades e deficiências do filho especial, foi para casa. Logo em seguida, chegou uma viatura da Polícia Militar, abordando-a na calçada, e um dos Policiais tentou interrogá-la sobre o acontecimento na escola.

A mãe tentou explicar que o filho é especial, mas o Policial insistiu em levá-la ao comando da Polícia, dizendo que a levaria na viatura se resistisse.

Ao responder que somente iria após falar com sua advogada por telefone, o Policial avançou no braço, arrancou a força o celular da mão, e sendo segurada por dois policiais, foi arrastada até a viatura, batendo repetidas vezes sua cabeça na lataria. Nessa hora, em legitima defesa, a mãe da criança revidou com a mão no rosto do Policial. Este fato foi presenciado pela criança que chorava todo o tempo, como também testemunhas no local.

Após isso, foi algemada com as mãos para trás, e colocada dentro da viatura. No trajeto passando pela feira, e, aproveitando o local deserto de pessoas, o mesmo Policial deferiu dois “TAPAS” em seu rosto, puxou o cabelo com forças por várias vezes e disse: “VOCÊ NÃO SABE QUEM EU SOU”. Houve várias agressões verbais do Policial dentro da viatura, intimidação e ameaça a mãe.

Levada para o comando da Polícia Militar, a deixaram sem comunicação, não a deixaram falar com o filho que chegou muito antes da viatura, não a deixaram falar com a advogada, e nem quiseram falar ao telefone com a advogada. Enfim, a mãe ficou na delegacia sem comunicação.

Quando passados horas ali, a levaram para a Delegacia Civil, sendo então lhe oportunizado falar com a advogada em Cuiabá, e, relatado todo o ocorrido.

A mãe estava em desespero, pois havia deixado o filho chorando e por ter sido submetida a tanta humilhação, por ter levado tapas no rosto e puxões de cabelo do Policial, sendo algemada, colocada em uma viatura como uma fora da lei.

Tal foi o transtorno que gerou por uma reclamação escolar de uma criança especial, causado por ter um comportamento que não agrada quem está para educá-lo.

A mãe é evangélica, todos na cidade conhecem a sua vida modesta e foi presa ao defender a saúde mental e física do filho por ser especial.

O filho que acompanhou todo o acontecimento fotografou a mãe machucada e algemada na Delegacia da Polícia Militar. Foi filmado e gravado a conversa com o Policial na calçada de sua residência, provando que não houve desacato, nem agressão, e muito menos resistência a ir até a Delegacia prestar esclarecimentos. O material será entregue na Promotoria de Justiça.

Na realização do exame de corpo e delito, comprovou-se a agressão da mãe sofrida pelo Policial, na região da cabeça, tronco e braços, vítima de feminicídio.

Imagens e nome  autorizados para divulgação por ; Célia Moreira da Silva Serpa Magalhães (mãe de aluno).

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios