AgronegócioDestaqueMato Grosso

Produtores de MT exigem fim do Fethab e cobram governador a melhorar gestão

Diretores da Aprosoja-MT afirmam que Mauro Mendes ainda não mostrou ser um bom gestor, pois opta por aumentar tributos ao invés de cortar gastos e fazer gestão

Parte do setor produtivo mato-grossense ligado à Associação de Produtores de Soja e Milho (Aprosoja) continua insatisfeita com as ações do governador Mauro Mendes (DEM), principalmente no que tange às mudanças nas regras de tributação e arrecadação de impostos e outras taxas. Na avaliação de diretores da entidade, após um ano de Governo, Mendes ainda não provou ser um bom gestor.

Afirmam que o superávit de R$ 88 milhões de dezembro de 2019 anunciado na última quarta-feira (15) só foi possível porque o governador aumentou vários impostos ao invés de “fazer gestão e reduzir custos” da máquina pública.

Dentre outras medidas impopulares, a que mais revolta o setor é a cobrança do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) sobre a produção de milho que está em vigor desde janeiro de 2019. A destinação do recurso para outras áreas como saúde e educação ao invés de direcionar 100% à infraestrutura para a manutenção de rodovias, também é rechaçada pelos produtores. Ao longo do ano passado eles fizeram protestos na Assembleia Legislativa, usando faixas, cartazes e discursos contrários à cobrança do tributo.

“Continuamos críticos, sem sombra de dúvidas nenhuma. Não aceitamos e não vamos aceitar que não seja aplicado 100% do Fethab [na infraestrutura]. Milho continua a restrição, espero que o Governo cumpra que em 2022 ele acabe com o Fethab, tanto o milho quanto o Fethab 2 da soja e que esse recurso que ele dê um jeito de colocar 100 %”, enfatizou o presidente da Aprosoja-MT, Antonio Galvan.

Conforme o produtor, investir parte do recurso na saúde, na educação ou na segurança só beneficia quem mora na Capital e municípios polos. “Eu pergunto, e aquele cara que está em Colniza e precisar de médico, ele vai aonde que nem estrada tem pra sair? Esses dias estava ilhado de novo: Juruena, Aripuanã. Então, quer dizer que você investe na saúde da Capital, consegue atender a turma aqui. Mas e quem está lá no interior, vai atender como? É onde produz”, pontua Galvan ao defender que o Estado garanta a infraestrutura e logística para produtores e população em geral que viaja pelas rodovias de Mato Grosso e sofre com as péssimas condições das estradas.

Imagem: Fernando Cadore Aprosoja
Fernando Cadore – vice-presidente da Aprosoja – Foto: Welington Sabino / AGORA MATO GROSSO

Já o vice-presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, é ainda mais enfático e duro nas cobranças. “Continua sendo uma irresponsabilidade total por parte do Governo a criação do Fethab no milho. Não se tributa commodities. A gente está competindo com nossos parceiros de outros estados”, enfatiza Cadore. Conforme ele, produtores de outros locais, a exemplo do Paraná, têm estradas boas para escoamento da produção, vendem a R$ 10 mais caro o mesmo produto e por lá não existe cobrança do Fethab.

“Como que um cara vai produzir milho em Gaúcha do Norte, é uma exceção o que aconteceu este ano, talvez seja um golpe de sorte do Governo, mas sem dúvida nenhuma, é uma irresponsabilidade tremenda por parte do governo a criação de tributo em cima do milho. É extremamente injusto colocar um tributo e a gente competir com outros estados que têm uma política um pouco melhor, que o custo de produção é menor, porque o fertilizante está mais perto do porto”, argumenta.

Crescimento em ritmo chinês

Fernando Cadore observa ainda que Mato Grosso além de não ter estradas conservadas, cresce a ritmo chinês há mais de 10 anos e por isso “não cola” o discurso adotado pelo Governo do Estado de falta de recursos para justificar a tributação e mudanças na legislação como fez ao longo de seu primeiro ano do gestão a fim de aumentar a arrecadação. “Não estamos falando de um Estado que teve déficit de arrecadação. Se pegarmos os índices de arrecadação do estado de Mato Grosso, pra nós não falta imposto não. Falta é gestão”, dispara o executivo da entidade representativa dos produtores.

Ele reconhece que ainda é cedo para dizer como vai ser o desempenho do atual governo, mas afirma que não se pode aceitar as alegações do governo sobre falta de recursos para investimentos.

“Não é admissível que um Estado que cresce entre 5% e 10% ao ano enquanto o Brasil cresce 0,2%, 0,1% ou não cresce, que tenha problema de arrecadação. Nosso problema não foi e nunca vai ser a arrecadação. Nós precisamos melhorar a gestão e o milho a gente sempre vai continuar posicionando contra e a soja também, porque deveria ir pra estrada”, enfatizou Fernando Cadore.

Fonte:Agora MT

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios