AgronegócioDestaqueMato Grosso

Rebanho confinado em MT deve ser menor desde 2008, aponta Imea

Expectativa é de que 577,5 mil animais sejam terminados no cocho este ano, número 30% inferior ao registrado no ano passado

O número de animais confinados este ano em Mato Grosso deve ser quase 30% menor que o registrado em 2019. A projeção é do Imea, que divulgou o primeira pesquisa de intenção de confinamento para 2020. A pesquisa ouviu 123 pessoas (entre técnicos, gerentes e proprietários), o equivalente a 71,1% das 173 unidades de confinamento existentes no estado.

De acordo com o Imea, 31,7% dos produtores declararam que não vão confinar animais este ano. O número é o mais expressivo desde abril de 2013, quando 33% dos pecuaristas afirmaram que não iriam terminar animais no cocho naquele ciclo. Na pesquisa atual, 14,6% dos confinadores ainda não decidiram se vão ou não confinar este ano.


O preço do boi gordo é apontado como o maior motivo de preocupação, seguido pelos efeitos da pandemia de Covid-19 no consumo doméstico; pelos elevados custos dos insumos para suplementação e das cotações dos animais de reposição. O bezerro de 12 meses, por exemplo, vale hoje em Mato Grosso 27,5% a mais que há um ano.


O levantamento aponta ainda que os pecuaristas adquiriram mais da metade (56,4%) do rebanho que será confinado, além de 75% dos insumos necessários.

A previsão do imea é de que ao todo, 577.550 animais sejam confinados este ano no estado. O volume é 16,45% por cento inferior ao registrado na primeira primeira pesquisa de intenção de abril do ano passado 29,93% menor que o rebanho total que foi confinado em 2019, quando mais de 824.225 bovinos foram terminados no cocho. Se confirmado, este número também será o menor desde 2008, quando 543,5 mil bovinos foram confiados em Mato Grosso.

Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios