DestaqueNotíciasPolícia

SÃO PAULO-Imagens mostram como agia o professor acusado de pedofilia,policiais prendem o mesmo ;Vídeo

Por centenas de vezes, ele calculou o ponto certo para captar imagens íntimas de suas alunas - dentro da sala de aula - sem que elas e nem ninguém percebesse.


Imagens exclusivas mostram como agia o professor preso em São Paulo acusado de pedofilia

Um professor foi preso, esta semana, em São Paulo, suspeito de pedofilia. Ele entrou para o radar da polícia ao baixar vídeos de pornografia infantil na internet. Mas o que ninguém imaginava era que ele também gravava – secretamente – o corpo das alunas dele em sala de aula. Sem expor nenhuma dessas vítimas, o Fantástico mostra como o professor agia.

Ele é Ivan Secco Falsztyn, de 54 anos – professor de história e de teatro da Saint Nicolas School, um colégio de elite em São Paulo. Ivan foi preso na 6ª fase da operação de combate à pedofilia – Luz na Infância – coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública em 12 estados brasileiros e em outros quatro países. Foram 43 prisões em flagrante, 19 delas em São Paulo.

E não há um perfil definido desses suspeitos presos. As idades variam de 17 a 82 anos. Tem estudante, aposentado, eletricista, dentista, empresário, servidor público, chaveiro, bombeiro, pescador, perito criminal e professor. Pessoas que passavam horas no computador baixando, armazenando ou publicando conteúdo de abuso e exploração sexual infantil nos meios digitais.

É isso o que agora a perícia vai levantar no computador apreendido na casa do professor. Se Ivan também compartilhava as imagens íntimas de menores – as mesmas que ele produzia e armazenava. Segundo a polícia, são mais de 300 vídeos produzidos nos últimos quatro anos. Sempre no mesmo ambiente: a sala de aula.

Fonte:G1

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios