DestaqueMato GrossoPolíciaPolítica

STF pede informações para saber se Silval paga delação em dia em MT

Ex-governador se comprometeu em devolver cinco parcelas anuais de R$ 4,7 milhões em espécie

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, mandou em março o ex-governador Silval Barbosa comprovar os pagamentos das parcelas referentes ao seu acordo de colaboração premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR). Em seu acordo de colaboração premiada, o ex-governador se comprometeu a devolver R$ 70 milhões no ano de 2017.

Deste total, R$ 46,6 milhões seriam em bens e outros R$ 23,5 milhões em 5 parcelas anuais de R$ 4,7 milhões cada. “Intime-se o colaborador Silval da Cunha Barbosa, para que preste informações sobre o pagamento dos tributos, taxas, despesas condominiais e demais gastos de conservação dos imóveis, bem como os comprovantes de pagamentos das parcelas referentes aos valores que deveriam ser pagos em espécie”, determinou Luiz Fux.

Recentemente, a defesa de Silval Barbosa interpôs uma petição no STF pedindo a alienação imediata dos bens que colocou a disposição do Poder Judiciário. Entre os bens prometidos por Silval estão duas fazendas em Peixoto de Azevedo (696 KM de Cuiabá) – avaliadas em R$ 33,1 milhões e R$ 10,5 milhões -, além de um imóvel urbano localizado em Sinop (501 km de Cuiabá), e outro na Capital, que custam R$ 860 mil e R$ 1,23 milhão, respectivamente.

O acordo de colaboração premiada com a PGR foi realizado no âmbito da operação “Sodoma” – que chegou a prender Silval Barbosa em setembro de 2015, e que apura um esquema de pagamentos de propinas em troca da concessão de benefícios fiscais a empresários do Estado. As informações repassadas pelo ex-governador já motivaram pelo menos duas operações no Estado: “Descarrilho”, de agosto de 2017, que apura diversos esquema de corrupção na implementação do veículo leve sobre trilhos (VLT), em Cuiabá e Várzea Grande, além da “Malebolge” (12ª fase da “Ararath”), que afastou cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), em setembro do mesmo ano.

Folha Max

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios