DestaqueNotíciasPolítica

STF suspende artigo que obrigava MT a destinar 35% à Educação

Governador Mauro Mendes ingressou com ADI na Corte alegando que dispositvo é inconstitucional

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, por maioria dos votos, o artigo da Constituição Estadual que obrigava o Governo de Mato Grosso a destinar 35% de sua receita para a Educação.

A decisão ainda suspende os efeitos do artigo que estabelece que 2,5% da Receita Corrente Líquida do Estado sejam destinados à Universidade Estadual de Mato Grosso.

A ação direta de inconstitucionalidade (ADI), ingressada pelo governador Mauro Mendes (DEM), alegava que a Legislação Estadual estabelece para a Educação uma porcentagem maior da receita do que aquela determinada pela Constituição Federal, que é de 25%. Por isso, segundo o argumento do governador, o dispositivo é  inconstitucional.

O relator do caso, ministro Alexandre de Moraes, já havia determinado a suspensão, em liminar, dos dois artigos da Constituição Estadual que tratam do assunto (art.245 e art. 246). A Corte seguiu seu entendimento.

“O Tribunal, por maioria, confirmou a medida cautelar e julgou procedentes os pedidos formulados na ação direta para declarar a inconstitucionalidade do art. 245, caput, inciso III e § 3º, e do art. 246 da Constituição do Estado de Mato Grosso, nos termos do voto do Relator, vencidos os Ministros Edson Fachin e Ricardo Lewandowski”, consta em trecho da decisão publicado nesta terça-feira (18) no Diário Oficial do Supremo.

Com a determinação, o Governo de Mato Grosso fica obrigado a seguir apenas a Constituição Federal, que estabelece os 25% para a Educação, ficando a critério do Executivo, o percentual que deve destinar à Unemat.

Argumentos do relator

O ministro Alexandre de Moraes viu “inconstitucionalidade” na legislação do Estado, posto que no artigo 212 da Constituição Federal determina que os estados, Distrito Federal e municípios deverão gastar 25% “no mínimo da receita resultante de impostos”, na manutenção e desenvolvimento da Educação.

“Inconstitucionalidade de normas que estabelecem vinculação de receitas tributárias a órgãos, fundos ou despesas, por violação ao art. 167, IV, da Constituição Federal, e restrição à atribuição constitucional do Poder Executivo para elaborar propostas de leis orçamentárias. Precedentes”, argumentou o ministro.

Ainda segundo o ministro, a Legislação de Mato Grosso submetida à ADI ofende a separação de poderes, posto que retiraria a autonomia do Executivo de quanto poderia ser utilizado para Educação e outras áreas prioritárias.

“Os artigos impugnados subtraem do Poder Executivo local a legítima atribuição para definir e concretizar, em consonância com as prioridades do Governo em exercício, políticas públicas igualmente relevantes à concretização dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, relacionadas a outros direitos fundamentais, a exemplo da saúde e da segurança pública”, disse o ministro.

Ainda sobre a separação dos Poderes, o ministro afirmou que é do Executivo a atribuição para definir e concretizar “políticas públicas igualmente relevantes à concretização dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, relacionadas a outros direitos fundamentais, a exemplo da saúde e da segurança pública”.

Mídia News

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios