DestaqueMato GrossoPolítica

TRE cassa vereador por fake news e “manda recado” aos candidatos em MT

Luís Costa dará lugar a Iva Viana, esposa do ex-deputado Zeca Viana e candidata mais rica do Estado em 2020

Pelo placar de quatro votos a três, o pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) confirmou a cassação do mandato do vereador por Primavera do Leste (231 km de Cuiabá), Luis Costa (PDT), por criar e espalhar diversas fake news nas eleições de 2020 contra o prefeito do Município, Leonardo Bortolin (MDB). O julgamento foi desempatado pelo voto de minerva do desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, presidente da Corte Eleitoral, que acompanhou o voto divergente proferido pelo juiz Gilberto Lopes Bussiki.

Embora o julgamento ainda não tenha sido finalizado, por uma questão meramente formal, – pois a relatora, a desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho, voltará a decidir uma questão num recurso interposto pelo autor da ação -, o desfecho já está definido. Em seu voto, o presidente da Corte Eleitoral deixou um recado bem claro aos candidatos que vão disputar as eleições de 2022: a propagação de mentiras para prejudicar adversários não será tolerada.

“Acompanho a divergência e nego recurso para manter a bem lançada sentença do juízo da Zona Eleitoral de Primavera do Leste. Que isso sirva de norte para as próximas eleições e que os próximos candidatos se atenham a este julgado, pois o TRE de Mato Grosso não permitirá essa disseminação, de forma alguma, de vereador, deputado, senador, seja quem for. Estaremos atentos e queremos ter uma eleição com a maior lisura possível”, ressaltou o presidente do Tribunal Regional Eleitoral.

O desembargador Carlos Alberto Alves lembrou que Luis Costa já era vereador em Primavera do Leste e buscava a reeleição em 2020 quando fez várias denúncias sem provas, gravou vídeos e divulgou em suas redes sociais, mesmo ciente de que eram informações inverídicas. Segundo o magistrado, é preciso exercer a liberdade de expressão com responsabilidade.

Ponderou que detentor do cargo público não está alheio às críticas, mas é preciso averiguar as veracidade das criticas, sob pena de incorrer em fake news. Nessa hipótese, segundo ele, o vereador acreditou que usaria o mandato eletivo se valendo a imunidade parlamentar como escudo e por isso adotou como estratégia na campanha a criação dolosa de factóides difundidos por ele como se verdade fosse.

“É preciso estabelecer balizas sobre o que será tolerado ou não nas eleições de 2022, considerando o uso das redes sociais para massificar as fake news e desinformação”, ressaltou Carlos Alberto Alves ao lembrar que o prefeito Leonardo Bortolin não respondia a nenhuma ação ou investigação do Ministério Público por fraude de licitação, pois foi o próprio vereador Luis Costa que inventou a denúncia e saiu espalhando como se fosse verdade. “Ele saia manipulando essas notícias, tudo em época de eleição”, criticou o presidente do TRE.

De acordo com o desembargador, o parlamentar fazia sensacionalismo para obter o apoio da população e angariar votos de seus eleitores. Contudo, o Ministério Público arquivou as denúncias feitas por ele contra o prefeito, por ausência de teor de quaisquer fraudes em licitações denunciadas por Luis Costa.

“Imunidade parlamentar não pode alcançar essas inverdades das fake news”, sustentou o desembargador em vários trechos de seu voto. “Em face de todo o exposto, tenho que o impugnado recorrente extrapolou o direito que lhe assistia na condição de vereador e candidato a cargo eletivo não lhe servindo a imunidade como escudo para a massiva veiculação de informações inverídica nas redes sócias para angariar vantagem em suas campanhas perante seus eleitores”.

REVIRALVOLTA

Em sentença do dia 2 de agosto deste ano a juíza Lidiane de Almeida Anastácio Pampado, da 40ª Zona Eleitoral, julgou procedente uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (Aime) ajuizada pelo também vereador Elton Baraldi, o Nhonho (MDB), aliado do prefeito Leonardo Bortolin.

Luis Costa foi processado por ter publicado diversos vídeos com fake news e críticas contra o prefeito Leonardo Bortolin (MDB), que disputava a reeleição no pleito de 2020 e sagrou-se vitorioso. Contra a sentença, foram protocolados dois recursos junto ao Tribunal Regional Eleitoral. O vereador cassado pediu a reforça da sentença enquanto o autor defendeu a manutenção da cassação para o consequente afastamento do pedetista e posse ao suplente.

A relatora dos recursos, desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho, votou por reformar a sentença e não cassar o vereador, sendo acompanhada pelos juízes Jackson Francisco Coleta Coutinho e Clara da Mota Santos Pimenta Alves. O julgamento foi iniciado no dia 23 de novembro.

Contudo, Gilbeto Bussiki, ao proferir seu voto vista no dia 1º de dezembro, divergiu da relatora e defendeu a cassação do vereador afirmando que o vereador criador e propagador de fake news precisa ser exemplarmente punido, pois na avaliação do magistrado, Luis Costa atacou a credibilidade da Justiça Eleitoral com as mentiras que propagou contra o prefeito de Primavera do Leste. Ele foi acompanhado pelos juízes Pérsio Oliveira Landim e Luiz Octávio Oliveira Saboia Ribeiro. Dessa forma, coube ao presidente da Corte Eleitoral usar seu voto de minerva e desempatar o julgamento que estava com o placar de 3 a 3.

Na sessão a ser realizada na próxima segunda-feira (13) a relatora apresentará seu voto relativo a uma questão que ficou pendente envolvendo o segundo recurso, proposto pelo autor da ação. Isso, no entanto, não irá alterar o resultado do julgamento.

 

ESPOSA DE EX-DEPUTADO ASSUME

ivaviana-zeca.jpg

Depois que o acórdão for publicado, Luis Costa perderá o mandato dando lugar para a suplente Iva Viana, que obteve 407 votos no pleito de 2020. Ela é empresária e esposa do ex-deputado estadual Zeca Viana. Ela já era vereadora desde 2016 em Primavera do Leste. No pleito de 2020, Ivan Viana declarou um patrimônio de R$ 252,3 milhões, figurando como a candidata na disputa das eleições municipais do ano passado em Mato Grosso e não conseguiu ser reeleita, ficando como primeira suplente do PDT.

 

Folha Max

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios