AgronegócioDestaque

Blairo Maggi: Recuperação judicial para produtor é ‘enriquecimento ilícito’

Ex-ministro da Agricultura afirmou que movimento de tirar garantias da CPR vai afetar confiança, prejudicar liquidez do crédito rural e juros vão consequentemente subir

O ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi criticou nesta quinta-feira,(21/05/20), mudanças na legislação brasileira sobre garantia de recebimento de empréstimo por entidades privadas. Durante live transmitida pelo Projeto Mais Milho, ele disse ainda que o projeto de recuperação judicial do produtor rural está conturbando o ambiente do crédito rural.

“Eu não sei se vou tomar dinheiro hoje, amanhã é meu dia de pagar e eu chego na tua porta e digo: a lavoura até foi muito bem, mas aí chega uma cláusula não prevista ou eu não consegui fechar minhas contas e não vou te pagar, eu entro com uma RJ [recuperação judicial] e quero 70% de desconto no meu débito e 20 anos para pagar. Quem vai emprestar dinheiro? Isso é enriquecimento ilícito. Você já recebeu para isso, por um produto, e na hora de pagar não quer?”, indagou.

Segundo Maggi, há um movimento criado pelo setor para alterar as interpretações sobre a Cédula de Produto Rural (CPR), documento que considera valioso para o setor.

“[Com] O movimento que está sendo feito por lideranças do setor e políticos de retirar a garantia da CPR, você vai fatalmente ter diminuição na quantidade de dinheiro disponível. Bancos, empresas e prestadores têm medo de colocar dinheiro e não receber de volta”. Para o ex-ministro, essas mudanças jurídicas são as maiores ameaças ao crédito rural do agronegócio brasileiro.

Maggi ressaltou ainda o esforço do governo para que entidades privadas aumentem sua participação na concessão de crédito rural para, assim, o volume público diminuir. Ele enfatiza que a CPR e outros papéis de garantia foram importantes para o agronegócio até o momento. No entanto, afirma que é preciso que os instrumentos legais de recebimento do valor sejam fortes o suficiente.

“O Banco do Brasil só está dando 35% dos valores para fazer comercialização, de plantio, o resto vem de fora. Quem tem dinheiro suficiente para estar numa cadeia de produção de sementes, por exemplo, e esperar até o fim da ponta para receber esse dinheiro de volta?”, questiona.

Ele relembra que recentemente novos instrumentos foram criados para que investidores estrangeiros colocassem dinheiro no agronegócio brasileiro. Mas indagou a capacidade de garantia de pagamento que o Brasil pode oferecer, diante das mudanças solicitadas pelo setor.

“Após essas medidas provisórias, veio um famoso fundo americano que colocou alguns milhões e até próximo de bilhão na mão de produtor. Os caras não receberam nada e não querem ver pintado de ouro brasileiro pegando dinheiro deles”, disse.

Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios