CanaranaDestaqueHistóriaMato Grosso

Avião da Praça de Canarana atuou na Segunda Guerra Mundial

Ele é o cartão postal de Canarana – MT. Muito maior que um monumento, o “avião da praça”, como é popularmente conhecido, é uma peça da história. Teve um papel fundamental na colonização do Médio Araguaia, trazendo migrantes gaúchos para o Mato Grosso, mas, antes disso, ele já tinha um longo currículo, com passagens por períodos que marcaram a história do mundo.

O avião, um Douglas DC-3, já ocupa o posto na praça central de Canarana (Praça Sigfreud Roewer) há 40 anos, desde 1981. A história desse icônico monumento, contudo, começa na década de 30, quando a empresa de aviação americana Douglas Aircraft Company começou a fabricar seu novo modelo de avião, um bimotor de metal de asa baixa, que era capaz de carregar até 32 passageiros, decolar de pistas curtas, voar a até 207 km/h com um alcance de 2.400 km. O avião da praça de Canarana, conforme pesquisa realizada pelo ex-funcionário da Varig e Lufthansa, Martin Bernsmüller, de Porto Alegre – RS, foi fabricado nessa época, em Oklahoma City, no Estado de Oklahoma, Estados Unidos, com o número de série 12.303 e prefixo 42-92496, tipo C-47A-DK.

Pouco tempo depois, já em 1939, eclode a Segunda Guerra Mundial, o conflito mais mortífero da história humana, que matou mais de 70 milhões de pessoas. Em janeiro de 1944, meses antes do desembarque dos aliados nas praias da Normandia, o avião foi entregue para a USA-AF (United States Air Force – Força Aérea dos Estados Unidos). Dias depois, em 05 de fevereiro de 1944, alterando para o prefixo FZ 697, o avião foi transferido à RAF (Royal Air Force – Real Força Aérea da Grã-Bretanha) para atuar nos esforços de mobilização do país na guerra, ficando baseado em Leicester East, na 107ª Unidade de Treinamento Operacional. Na guerra, os Douglas DC-3 tipo C-47 eram conhecidos como Dakoka.

Registro de propriedade.

 

O avião, conforme registro de voo, ainda alterou de bases durante os últimos episódios do conflito e, após a vitória dos aliados, em outubro de 1945 foi transferido para a base de Syerston, onde ficou até ser adquirido pela Canadian Ltd. de Montreal, no Canadá. Após a guerra, o mercado de aviões mundial foi inundado com aviões que foram usados no transporte militar e que, então, estavam disponíveis para o uso civil. Os aviões modelo DC-3 não puderam ser atualizados devido aos custos e foram sendo substituídos por modelos mais avançados, sendo fadados à aposentadoria.

Mas o avião da praça de Canarana, ainda tinha outros caminhos a voar e em 1946, foi adquirido pela Linhas Aéreas Natal para realizar o transporte de passageiros. Em 1950, a empresa foi absorvida pela Real Transportes Aéreos, e a aeronave foi re-registrada com o prefixo PP-YPU, o mesmo que sustenta até hoje. Por 11 anos realizou o transporte de passageiros, até que em 1961 foi adquirido pela Varig (Viação Aérea Rio-Grandense), que o usou por oito anos, até que o vendeu para a Caraíba Metais S.A. em 1969, que, sete anos depois, o vendeu para Cooperativa de Colonização 31 de Março Ltda – COOPERCOOL, responsável pela criação de municípios como Água Boa e Canarana.

De 1976 a 1980, o avião enfim, deixou para trás seu papel militar e comercial e passou a atuar no seu papel social, transportando centenas de imigrantes que trouxeram na bagagem, o sonho de, no cerrado do centro oeste brasileiro, construir um novo lar. Em 1980 o avião da praça fez seu último vôo: da Fazenda Sagarana, onde estava estacionado, até o Aeroporto Municipal de Canarana, na época, localizado onde hoje é a Avenida São Paulo, até que um ano depois, foi erguido como monumento.

Hoje, pano de fundo para fotos e ponto de referência para muitos, o avião da praça deixou de ser uma agente da história para ser um espectador e, de onde está, presencia o desenvolvimento da região que ajudou a desenvolver.

Por Lavousier Machry, para OPioneiro, com informações de Domingos Finato. Fotos cedidas por Domingos Finato.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios