DestaqueMato GrossoPolíciaTecnologia

Venda de respiradores falsos- É adiado o julgamento de habeas corpus do empresário acusado em MT

O relator do habeas corpus, o desembargador Pedro Sakamoto, votou pela manutenção da prisão do “vendedor” dos respiradores, onde já se encontra desde o dia 1º de maio de 2020.

O desembargador da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJMT), Rui Ramos, pediu vista do habeas corpus interposto em favor do empresário Ramos de Faria e Silva Filho. Ele é suspeito de ter “enganado” a prefeitura de Rondonópolis (216 KM de Cuiabá) na venda de 22 respiradores artificiais, pelo valor total de R$ 4 milhões.

Descobriu-se posteriormente que os produtos eram “falsos”. Em julgamento ocorrido na manhã desta quarta-feira (08/07/20), na 2ª Câmara Criminal, Rui Ramos preferiu analisar melhor o caso justificando que certos fatos da investigação chamaram a sua atenção.

Pedro Sakamoto, por sua vez, chamou a atenção para o fato de que nos dias que os produtos foram entregues, em 16 e 17 de abril deste ano, o servidor da prefeitura responsável pelo recebimento foi orientando a só abrir as caixas com os respiradores em 4 de maio – 18 dias depois da entrega -, sob a alegação de “perda de garantia”. A juíza convocada para atuar na 2ª instância do TJMT, Glenda Borges, preferiu aguardar o voto vista do desembargador Rui Ramos, adiando a conclusão do julgamento.

Um dos argumentos utilizado pela defesa é o de que o empresário foi “enganado” por um suposto fabricante chinês que teria fornecido o produto.

A defesa do empresário é feita pelos advogados Onório Gonçalves da Silva Junior e Carlos Alberto Silva Severino que sustentaram que o empresário não representa nenhum risco ao processo, já que desde o início se colocou a disposição da Prefeitura para resolver o problema, sendo ele também uma vítima do fornecedor.

“Meu cliente é primário, tem residência fixa, nunca foi considerado fugitivo, além de que seu patrimônio é suficiente para garantir qualquer prejuízo ao erário e que inclusive já foi bloqueado R$ 2,7 milhões da empresa”, alegou Onório.

A defesa argumentou ainda que isso é uma injustiça, pois o empresário está preso há mais de 70 dias. “A autoridade policial levou a justiça ao erro, mantém uma prisão sem fundamento jurídico. O meu cliente tem há mais de 10 anos tem uma empresa que trabalha com produtos hospitalares, negocia com 22 municípios, ele não veio a Rondonópolis para aplicar golpe. Ele foi vítima de um fornecedor chinês, assim como a Prefeitura”, disse.

O advogado, Onório, ainda fez críticas ao executivo dizendo que a Prefeitura errou ao não mandar pessoas técnicas para avaliar os equipamentos, já que seu cliente também não tem conhecimento técnico e que pediu a secretária Municipal de Saúde, Izalba Alburquerque, que fosse feita a conferência.  “Tem conversas com a secretária de Saúde, onde o meu cliente pede que tenha técnicos, mas a Prefeitura enviou dois policiais e um motorista para buscar os aparelhos”, afirmou.

Apesar de toda argumentação, o que pesou no adiamento foi a questão de que o empresário pediu que para a Saúde do município não fizesse a abertura das caixas durante uns 15 dias, porque se violassem as embalagens, os equipamentos perderam a garantia, pois seria o próprio fornecedor quem faria a instalação. Porém uma servidora abriu uma das caixas e viu que o equipamento era falso. O relator dos autos foi o desembargador Pedro Sakamoto.  O julgamento deve ser retomado na próxima semana.

Os aparelhos foram adquiridos pela prefeitura de Rondonópolis como uma das ações para o enfrentamento do novo coronavírus (Covid-19).

 

 

Folha Max/Agora MT

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios