AgronegócioDestaqueMato Grosso

Histórico: agricultores de MT já venderam quase 40% da próxima safra de soja

Ritmo recorde também é registrado na comercialização de milho, que tem quase um terço da produção futura negociado, segundo acompanhamento do Imea

As vendas antecipadas da safra 2020/21 estão em ritmo recorde em Mato Grosso. Tanto as negociações de soja quanto as de milho superam as médias históricas para o período e mostram que os agricultores estão enxergando – e aproveitando – oportunidades no mercado, proporcionadas principalmente pela valorização do Dólar frente ao Real.

O cenário atrativo – na avaliação de muitos – elevou a negociação da safra futura de soja para 37,25% do volume previsto para ser colhido no estado no ano que vem, estimado em 34,7 milhões de toneladas. Ou seja, quase 13 milhões de toneladas da oleaginosa já foram vendidos. Para ter ideia de com o ritmo é intenso, nesta mesma época do ano passado “apenas” 12,35% da produção (do ciclo 2019/20) estavam negociados. A diferença fica ainda maior na comparação com a média histórica para o período, que é de 7,41% comercializados.

De acordo com o Imea, o preço ponderado de negociação até aqui (que traça uma média desde o início das vendas) gira em torno de R$ 81,39 a saca. Cerca de R$ 20,00 acima dos valores registrados há um ano.

No milho a antecipação surpreende ainda mais. Enquanto a colheita da segunda safra ainda começa a dar os primeiros passos no estado, as vendas do grão que só vai ser plantado no ano que vem estão prá lá de adiantadas. Os agricultores negociaram nada menos que 29,47% da produção prevista! Isso equivale a mais de 9,6 milhões de toneladas. Nunca a comercialização da segunda safra começou com tamanha antecedência em Mato Grosso. Segundo o Imea, diante das oportunidades, “os produtores aproveitaram os bons preços do mercado (média de R$ 29,21/sc, 1,20% maior que no mês anterior) para fechar negócios e garantir parte do custeio da próxima temporada”.

Canal Rural

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios